sábado, 1 de setembro de 2012

Culinária Dinamarquesa


Lindas e variadas paisagens, infinitos lagos e ilhas, além de montanhas imaculadas, um enorme gosto pelo ar livre e muitos desportos para praticar, são algumas das características e atractivos da Dinamarca.
Conhecida como " o país de Conto de Fadas ", por ser país natal de Hans Christian Andersen, a Dinamarca é a mais antiga monarquia do mundo.
culinária dinamarquesa é muito variada, e representa bem o tipo de culinária que se encontra em toda a Escandinávia. Famosa pela sua carne de porco, pelos laticínios e sanduíches abertos e também pela confeitaria, na Dinamarca o dia começa com um pequeno almoço à base de pão, queijo e café ou leite. O almoço é composto por uma sanduíche aberta muitíssimo elaborada, constituindo quase uma refeição; é geralmente servida com salada, queijo ou fruta. A hora do chá da tarde serve de pretexto para que os dinamarqueses se deliciem com bolinhos, tortas, bolos amanteigados e biscoitos, muitos deles de renome internacional. A refeição principal é feita ao início da noite, sendo geralmente composta por mais de dois pratos.
O porco, o peixe, o frango e a vitela são muito apreciados, e a sobremesa é normalmente à base de frutas, como é o caso do Frugtkage, a torta dinamarquesa de maçã, cuja receita o Comezainas lhe sugere.

Rolinhos Natalinos de Salmão com Presunto

Ingredientes

alho em pó: a gosto
champinhons: 1 lata
farinha: a gosto
manteiga: a gosto
massa folhada: a gosto
pimenta: a gosto
pimento encarnado: 0.5
presunto: 1 pacote
sal: a gosto
salmão fumado: 1 pacote
sumo de limão: a gosto
vinho branco: 1 copo
Preparação
Enrole uma fatia de salmão fumado muito fina com uma fatia de presunto igualmente fina, deixando o presunto na parte de dentro e prenda com um palito. Faça o mesmo com todas as fatias de presunto e de salmão fumado e disponha os rolinhos numa travessa grande branca. Tempere com sumo de limão e uma pitada de alho em pó. À parte prepare o molho: salteie os cogumelos cortados em manteiga e junte vinho branco e meio pimento picado. Tempere com sal e pimenta e deixe apurar durante 5 minutos em lume brando. Cubra os rolinhos cuidadosamente com este molho. Corte pequeninas estrelas de massa folhada descongelada e coloque-as num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado com farinha, e leve-as ao forno até dourarem e aumentarem de volume. Deixe arrefecer e decore com uma ou duas estrelas cada um dos rolinhos de salmão e presunto.

Salmão Dinamarquês

Ingredientes
açúcar: 3 colheres de sopa
aneto: a gosto
mostarda: 1 colher de chá
natas: 1 pacote
sal: 1 colher de sopa
salmão: 1
sumo de limão: 1 colher de chá
Preparação
Abra o salmão ao meio, no sentido do comprimento, para lhe retirar a espinha. Misture o sal com o açúcar. Com este preparado cubra as duas metades do salmão, salpique com o aneto e sobreponha-as. Embrulhe o peixe num pano húmido, coloque num recipiente de plástico e leve ao frigorifico por 72 horas, virando-o de vez que em quando. Findo esse tempo, desembrulhe-o e salpique-o com mais um pouco de aneto. Misture os restantes ingredientes e mexa bem até obter um creme. Sirva com o salmão.

Molho Dinamarquês (para Fondue)

Ingredientes
alho: 2 dentes
cebola: 2
leite: 150 ml
manteiga: 2 colheres de sopa
queijo fundido: 5 colheres de sopa
vinho branco seco: 1 chávena
Preparação
Pique as cebolas e os dentes de alho e refogue-os na manteiga até dourar. Junte cuidadosamente o vinho e o leite, mexendo sempre. Junte o queijo e deixe derreter, mexendo ocasionalmente. Tempere com sal e pimenta. Sirva ainda quente.

Morangos com Requeijão e Baunilha

Ingredientes
açúcar: 3 colheres de sopa
avelãs: 75 gr
essência de baunilha: 2 colheres de chá
laranja: 1
leite gordo: 100 ml
morango: 750 gr
ovos: 2
requeijão: 0.5 kg
sal: 1 pitada
Preparação
Lave e escolha os morangos, escorra-os e retire-lhes as folhas e pés. Separe cerca de 200 gr., que deve reservar para enfeitar, e corte o resto em pedaços. Bata bem as gemas com o açúcar. Misture o requeijão. Bata bem as claras em castelo, juntamente com o sal, e deite por cima da mistura das gemas com o requeijão. Bata as natas com a essência de baunilha. Raspe a casca da laranja e esprema o sumo. Incorpore as natas e as claras batidas ao creme de requeijão. Misture o sumo de laranja, os morangos cortados e o creme de requeijão. Leve ao frigorífico durante cerca de 2 horas. Pique as avelãs e, no momento de servir, guarneça o creme com os morangos inteiros e polvilhe com a raspa da laranja e as avelãs picadas.

Tarte Dinamarquesa de Maçã (Frugtkage)

Ingredientes
açúcar: 1 chávena
gelatina em pó sem sabor: 5 colheres de chá
geleia de morango: 200 gr
maçã: 1 kg
manteiga: 0.5 chávena
natas: 1 pacote
pão ralado: 250 gr
Preparação
Descasque, lave, elimine os caroços e corte as maçãs (ácidas, de preferência) em pedaços pequenos e leve a cozer com 4 colheres de sopa de água e 1/3 do açúcar, mexendo para não pegar, até obter um puré. Passe, peneirando, para uma tigela de pirex, que aguente temperaturas elevadas. Polvilhe a gelatina em pó sobre o puré de maçã. Coloque a tigela dentro de uma panela com água muito quente e mexa por 2 ou 3 minutos, para dissolver a gelatina.
Deixe arrefecer. Numa frigideira grande, aqueça a manteiga e deixe-a ao lume até começar a dourar. Reduza a chama e adicione aos poucos, mexendo, o pão ralado e metade do açúcar restante. Deixe cozer durante 10 a 15 minutos, mexendo sempre, até dourar. Disponha metade dessa mistura numa forma de bolo de fundo falso, apertando até ficar homogéneo e cobrir todo o fundo da forma (esta será a base da tarte).
Assim que a massa arrefecer, deite a mistura de maçã por cima. Leve ao frigorífico até solidificar. Espalhe a geleia sobre a camada de maçã e, sobre esta, a restante massa de pão ralado. Pressione bem, tal como fez com a massa anterior. Leve a forma ao congelador, por mais 30 minutos, ou até ficar bem sólido. Passado este tempo, retire cuidadosamente a torta da forma, transferindo-a para uma travessa.
Bata as natas com o restante açúcar, até ficar em chantilly, e espalhe-o sobre a torta. Decore com frutos silvestres lavados ou qualquer outra fruta da época. Variações: - O recheio pode ver variado substituindo-se parte das maçãs por igual quantidade de fruta vermelha de sabor acentuado - como framboesas e amoras comuns ou silvestres, por exemplo. - Escolha uma geléia que combine com a fruta escolhida - se preferir, passe a geléia pela peneira, para remover as sementes.
Fonte: comezainas.clix.pt
Culinária Dinamarquesa
Somente em Copenhague há mais de dois mil restaurantes, o que dá uma idéia da variedade gastronômica do país. Os imigrantes têm trazido suas próprias especialidades, com o que resulta fácil encontrar comida italiana ou grega, embora os dinamarqueses se aferrem a seus próprios costumes. Sendo como é, um país sobre água, destaca o peixe o qual serve-se de todas as formas imagináveis, cru, defumado, fervido, assado, ou grelhado.
Aliás, o mais popular da gastronomia dinamarquesa conhece-se com o nome de Det store Kolde Bord (a grande mesa fria), um buffet com uma variedade quase ilimitada de pratos frios e quentes. Peixes, carnes, verduras, legumes, embuchados, pão e um longo etcétera de alimentos compõe esta mesa.
Outra especialidade é o "smorebrod", o sanduiche aberto. Trata-se de uma fatia de pão branco ou integral untado com manteiga dinamarquesa e adornado com carne defumada, peixe (arenque sobretudo), verdura, queijo e acompanhado de uma boa garrafa da genuina cerveja dinamarquesa e, se o estômago permite, também com um drinque de "snaps", a tradicional cachaça. Quase todos os restaurantes e lanchonetes oferecem este sanduiche a modo de comida rápida, que come-se ao meio dia. Pode-se recorrer também ao Menú do Dia, "Dagensret" consistente em dois pratos por um preço razoável.
A pastelaria dinamarquesa oferece também especialidades a levar em conta. A amêndoa, o folheado e os cremes são os ingredientes fundamentais. Sobressai o "wienerbrod" e as pastas dinamarquesas. Os produtos lácteos são também imprescindíveis na gastronomia local, a manteiga com um pouco de sal, os queijos, entre eles o Danablu e o Esrom.
Na Dinamarca os horários de comida são de 12.00 às 14.00 horas, geralmente, uma comida rápida e leve e logo a partir das 18.00 até às 21.00 horas é a hora dos bons restaurantes, com cardápios maravilhosos e preços elevados.

Bebidas

No Natal toma-se uma bebida muito especial Julglogg, vinho doce quente preparado com cravo e canela e regado com um pouco de vodka. Por sua parte a cerveja dinamarquesa tem fama no mundo todo. Especialmente, a Calsberg, à que une-se a Tuborg. Nos bares servem-se tanto em garrafa quanto a pressão.
Fonte: www.viajarabajoprecio.com

Comer na Dinamarca

Culinária Dinamarquesa
O robusto povo da Dinamarca durante milhares de anos, foram colher os alimentos que sobrevivem nas suas chill e clima úmido do Norte, e ao longo desses milhares de anos, os alimentos têm criativa e artisticamente sido aperfeiçoado para o que consideramos escandinavos cuisine. Alguns dos alimentos da Dinamarca incluem cevada, batata, verduras, centeio, beterraba, cogumelos, frutos e produtos lácteos. Estes são apenas alguns dos alimentos Dinamarca é conhecida por, juntamente com os seus vizinhos países escandinavos, Suécia, Noruega e Alemanha.
Dinamarca durante milhares de anos foi uma sociedade agrícola, e ainda para este dia valor é colocado sob a frescura, qualidade e localização de todos os seus home-alimentos cultivados. Juntamente com essa frescura é o conceito de "hygge", que significa "morna, fuzzy, aconchegante e confortável sensação de bem-estar." O povo da Dinamarca infundir hygge em sua cozinha e hospitalidade, o que vai certamente descobrir a nível local e restaurantes Eateries .

Culinária da Dinamarca

Culinária da Dinamarca
Baseado em torno desta idéia de hygge, a Cozinha da Dinamarca tem tudo a ver com bons amigos, boa comida, vinho, iluminação suave, a música, e todos-cerca de alegria. Na Dinamarca, as pessoas são conhecidas por serem muito liberal, mas quando se trata de cozinha e jantar, eles são muito conservadores. Seu sentimento de tradicionalismo é realizada forte, e eles tendem a manter estas tradições vivas.
Tem havido uma mudança nas últimas décadas no sentido de um isqueiro mais nutritivos cozinha na Dinamarca, centrando-se em frutas e legumes frescos. Portanto, se você for uma pessoa consciente saúde, a Dinamarca é um ótimo lugar para onde ir. Contudo, o mais pesado, mais tradicional tarifa é ainda facilmente disponíveis e, no zonas rurais da Dinamarca a comida torna-se ainda mais do que as tradicionais áreas metropolitanas, bem como a hospitalidade. Nas maiores cidades da Dinamarca, há mais de umaoportunidade para experiências de fusão refeições, agregando elementos de americanos, franceses, asiáticos, e cozinha espanhola. É moderno, chique e delicioso .

Refeições na Dinamarca

Refeições na Dinamarca
Existem 3 refeições tradicionais na Dinamarca, como os Estados Unidos, e pequeno-almoço é chamado Morgenmad. Tradicionalmente esta refeição é pão e manteiga, queijo e dinamarquês fatias queijo cremoso, strawberry jam e café. Freqüentemente frias fatiadas cortes de carne são acrescentados a essa tarifa. Na Dinamarca moderno, não há mais variedade, incluindo cereais e iogurte. Mas um tradicional almoço por vezes ainda usado pelos anciãos e crianças da Dinamarca é um mingau de farinha de aveia e pão e de cerveja sopa!
O almoço, ou como é chamado, na Dinamarca, Frokost, é normalmente comidos no trabalho pelos dinamarqueses. O sanduíche aberto, ou smorrebrod, é o tradicional almoço de escolha, e ainda hoje. Geralmente é uma buttered pedaço de pão fresco centeio com frio cortes de carne fresca, queijo e espalha. Esta é a base para o mundialmente famoso dinamarquês aberto sanduíche!
O jantar, ou Aftensmad, é semelhante ao jantar nos Estados Unidos, em que ele é o único momento do dia em que as famílias se reúnem para ter uma refeição. Estes são frequentemente elaborados refeições com muitos cursos de alimentos e convidou amigos, que são recebidos com um "Welcome Drink", aperitivos como camarão cocktail, e para o jantar, muitos tipos de peixe fresco, carne de porco, e jogo. Sobremesa pode ser gelado, ou um fino, crepe estilo de panqueca! O povo da Dinamarca know how para jantar .

Comer fora em Dinamarca

Dinamarca
A menos que você saiba que um familiar na Dinamarca, você provavelmente será comer fora na Dinamarca. Não há necessidade de fret, que está em tratamento por um! Há todos os tipos de restaurantes e eateries. Pegue o tradicional café, por exemplo. Há tantos deles nas grandes cidades, e você pode obter pop na sopa, salada, aberto sandes, pastelaria, gelados, juntamente com a cerveja, chá ou café. Tradicional povo da Dinamarca não comer fora muitas vezes, devido ao preço. Tenha em mente os impostos envolvidos em comer fora, mas sei que ele merece o gasto extra. Devido à custa, ir a um restaurante é um longo e enriquecedor evento. Comece com bebidas, e você será servido muitos cursos de alimentos. É preciso chegar bem cedo, talvez 6pm, e ficar por horas. Restaurantes são fantásticas na maiores cidades da Dinamarca, mas também nas zonas rurais e nos hotéis e pousadas. Alguns dos melhores alimentos na Dinamarca podem ser encontrados nestas áreas mais tradicionais.
Se você precisar de seu fast-food corrigir, não temo. Há acontecer a ser 7-Elevens, McDonald's, Burger King, KFC e nos principais bairros de compras. Rápido e conveniente. Ou tente um "almoçar bar", para obter um rápido almoçar ou fatia de pizza .
Fonte: www.viagens-dinamarca.info
Culinária Dinamarquesa

Comida dinamarquesa

O letreiro na venda em frente de casa informa: ”Grønt, Frugt & Blomster” (Verdura, Fruta e Flores). Frutarias, esta cidade é cheia delas, quase toda rua tem a sua, frutas de toda parte, manga do Ceilão, pêra da França, melão do Brasil. A variedade é imensa, um mundo de frutas, verduras e flores, muitas produzidas nesta nação tradicionalmente agrária, mas a maioria vem de outros países. Compro frutas, leite, coalhada para completar o que falta na geladeira. Será um café da manhã dinamarquês, porém com o jeitinho brasileiro do indispensável café com leite.
Hoje, convidados por casal amigo, teremos refeição tipicamente dinamarquesa. Nossa anfitriã é brasileira, nordestina do interior, de evidente ascendência holandesa; o marido é dinamarquês, descendente de vikings. O casal vive em confortável casa de subúrbio elegante na periferia do bairro onde estamos hospedados. O transporte urbano aqui, embora caro, é excepcionalmente bom e um ônibus moderno nos leva até lá em menos de vinte minutos por avenidas largas e arborizadas, em meio a parques, jardins e lagos. Os lagos aqui são todos artificiais, criados para amenizar e embelezar paisagens sem grandes atrativos naturais. A Natureza não foi muito generosa com a Dinamarca, mas o dinamarquês trabalhou arduamente para compensar e, por isso, viajamos através de extensos bosques, gramados e jardins.
Somos recebidos festivamente, até o enorme cão abana o rabo e se agita de um lado para outro. Ao contrario de esposas dinamarquesas, a anfitriã é típica dona de casa brasileira. Embora jovem, assume seu papel de matrona dedicada ao cuidado do marido, criação dos três filhos pequenos, aos afazeres domésticos, ao jardim gramado e florido, aos seus bordados e arranjos florais, a atividades comunitárias. O anfitrião parece apreciar muito sua família à moda antiga, que o mundo moderno torna muito restrito aos que realmente querem e podem. Importante advogado, é apreciador das artes, inclusive da culinária e dedica cuidados especiais aos quadros, fotografias e móveis mais que centenários da pousada à beira-mar que seus avós possuíam numa pequena cidade de veraneio.
O anfitrião volta rapidamente ao fogão e às panelas, é ele quem prepara o almoço, comida dinamarquesa. Bem, se uma coisa é dinamarquesa e se encontra por toda parte, é salsicha, a popular "Pølsevogne" e você pode pedir um cachorro-quente francês, que jamais encontrará na França, com salsicha de galinha enfiada num pão roliço do qual se retira o miolo, ou um cachorro-quente italiano com molho de pizza que a Itália nunca viu. É o tipo de comida que você vê as pessoas comendo no Tívoli, embora esse parque possua inúmeros e até bons restaurantes, alguns dois dos quais servem “comida dinamarquesa”.
Em casa, você pega uma fatia de pão de forma, que obrigatoriamente tem que ser de centeio, passa bastante manteiga (a dinamarquesa é deliciosa), divide ao meio e coloca em cima de cada meia-banda aberta uma variedade de coisas que vão de salame, “remoulade” (maionese com picles) e cebola frita ou mesmo crua, até uma fatia de patê de fígado, um pouco de banha temperada, gelatina de suco de carne, fatias finíssimas de filé, cebola, salsa e mais o que você achar que cabe em cima. O nome disto é smørrebrød (pronuncie smêR ebrô, com o R vindo do fundo da garganta, o som vai ser parecido com o verdadeiro e impronunciável sotaque de Copenhague).
Se você quer saber, a comida dinamarquesa que se encontra por ai nos restaurantes e mesmo em casa é tão universalizada, cheia de tantas influências, que nem se pode dizer de fato que seja a típica comida da terra. Antes da globalização, a culinária local era mais a comida da gente pobre do campo, baseada nas criações e plantações dos pequenos agricultores e dos pescadores. Quase sempre coisa demorada de preparar e cozinhar, hoje reservada a ocasiões importantes, batizados e casamentos ou visita de amigos muito especiais.
Para despertar o apetite, começamos com a fortíssima aguardente da ilha de Bornholm, uma especialidade. O almoço começou com arenque de todo jeito: ao natural, marinado, ao caril (curry) e temperado com especiarias e ervas. Prosseguiu com salmão marinado e salmão defumado, camarão ao natural, filé de peixe (o Mar do Norte tem muitas espécies e os dinamarqueses são excelentes pescadores), leitão assado, minúsculas e deliciosas salsichas, rosbife com “remoulade” e cebola frita, filé mignon com cogumelos e cebola, patê de fígado bem condimentado e bacon. Por fim, a indefectível "frikadeller" (frikédêla), talvez a comida mais popular de todas, almôndega de carne de boi, de frango e até de peixe. Tudo acompanhado por vinho chileno e australiano (a coisa aqui é globalizada mesmo). Biscoitos, queijos e salada de frutas encerraram nossa gastronômica aventura por mares (nórdicos) nunca dantes navegados.
A gastronomia revela muito do caráter de um povo e a cozinha da Dinamarca é como seu famoso design industrial: simples, prática, democrática, universal. “God appetit”.
Fonte: imbiriba.blogspot.com

Øllebrød

Øllebrød ( Pão de Centeio, Açúcar e Cerveja )
Øllebrød ( Pão de Centeio, Açúcar e Cerveja )
O prato dinamarquês mais excêntrico é certamente o øllebrød – mingau feito de pão de centeio, açúcar e cerveja.
Da ilha de Bornholm vem uma tradição de peixes defumados, geralmente arenque ou enguia.
O arenque em conserva tem um lugar cativo na cozinha dinamarquesa, assim como a carne de porco com molho bechamel com salsa.
Os amantes dos doces ficarão encantados com as vastas opções de doces dinamarqueses feitos na hora.
Fonte: www.raileurope.com.br
Culinária Dinamarquesa
A culinária da Dinamarca, tal como a de outros países escandinavos (Suécia e Noruega) e do norte da Europa em geral, como na Alemanha, é composta de pratos pesados, ricos em gorduras e carboidratos, devido à sua tradição agrícola e ao clima frio, caracterizado por invernos rigorosos e longos.
Os produtos importados eram raros, o que originou hábitos gastronómicos determinados pelos produtos locais: cereais, lacticínios, carne de porco, peixe, maçãs, ameixas, cenouras, batatas, cebolas, cerveja e pão.
Uma das especialidades da cultura gastronómica dinamarquesa é a mesa fria, um bufett com uma variedade de pratos frios e quentes: peixes, carnes, verduras, legumes, pão etc. Outra especialidade, considerada o prato nacional, é o smorebrod, uma sanduíche aberta. Trata-se de pão branco ou integral, untado com manteiga dinamarquesa e adornado com carne fumada, peixe (arenque sobretudo), verdura e queijo.
As bebidas mais apreciadas são a cerveja dinamarquesa e o snaps, a tradicional aguardente.
Fonte: www.eb1-solum-coimbra.rcts.pt

Smørrebrød - sanduíches abertos dinamarqueses

Smørrebrød - sanduíches abertos dinamarqueses
Smørrebrød - sanduíches abertos dinamarqueses
Os sanduíches dinamarqueses constituem um dos principais atrativos da gastronomia dinamarquesa. Bastante variados e fáceis de preparar, podem ser uma refeição ligeira ou fazer parte de lanche. Apresentamos algumas sugestões.
Preparação
Barre as fatias de pão com manteiga, escolha os ingredientes a seu gosto e enfeite:
1: Arenque marinado sobre alface, enfeitado com rodelas de cebola crua e quartos de tomate.
2: Fatias de rosbife com cebola frita picada, rodelas de pepino e quartos de tomate.
3: Fatias de salame e rodelas de pepino.
4: Camarões envolvidos em maionese e enfeitados com limão e pepino.
5: Salmão fumado sobre alface e guarnecido com rodelas de limão.
6: Fatias de carne de porco frias com laranja e bacon frito.
7: Rodelas de ovo cozido, caviar e argolas de pimentos morrones.
8: Queijo Roquefort com uvas e nozes.

Morangos com requeijão e baunilha

Morangos com requeijão e baunilha
Ingredientes
3 colheres de sopa de açúcar
75 grs de avelãs
2 colheres de chá de essência de baunilha
1 laranja
1 dl de leite gordo
750 grs de morangos
2 ovos
0,5 kg de requeijão
1 pitada de sal
Preparação
Lave e escolha os morangos, escorra-os e retire-lhes as folhas e pés.
Separe cerca de 200 grs, que deve reservar para enfeitar, e corte o resto em pedaços.
Bata bem as gemas com o açúcar.
Misture o requeijão.
Bata bem as claras em castelo, juntamente com o sal, e deite por cima da mistura das gemas com o requeijão.
Bata as natas com a essência de baunilha.
Raspe a casca da laranja e esprema o sumo. Incorpore as natas e as claras batidas ao creme de requeijão.
Misture o sumo de laranja, os morangos cortados e o creme de requeijão.
Leve ao frigorífico durante cerca de 2 horas.
Pique as avelãs e, no momento de servir, guarneça o creme com os morangos inteiros e polvilhe com a raspa da laranja e as avelãs picadas.
O prato nacional dinamarquês é o smørrebrød (pronuncie smêR ebrô, com o R vindo do fundo da garganta), que consiste em pratos frios feitos com pães de forma, ou seja, são sanduíches abertos, com centenas de variações, recheados com uma diversidade de ingredientes, como salada, frango, atum, etc. Ele é normalmente servido com cerveja. Contam-se que um restaurante de Copenhague, o Ida Davidsen (na Store Kongensgade 70), é famoso pela variedade de smørrebrød que oferece, disponibilizando um menu de 2 metros de comprimento.

Smørrebrød

Smørrebrød
Smørrebrød
Smørrebrød
Smørrebrød
"...você pega uma fatia de pão de forma, que obrigatoriamente tem que ser de centeio, passa bastante manteiga (a dinamarquesa é deliciosa), divide ao meio e coloca em cima de cada meia-banda aberta uma variedade de coisas que vão de salame, “remoulade” (maionese com picles) e cebola frita ou mesmo crua, até uma fatia de patê de fígado, um pouco de banha temperada, gelatina de suco de carne, fatias finíssimas de filé, cebola, salsa e mais o que você achar que cabe em cima". (Sebastião Imbiriba)

Frugtkage

Frugtkage
Frugtkage
O dia-a-dia
Na Dinamarca, o dia começa com um pequeno almoço à base de pão, queijo e café ou leite. O almoço é composto por um sanduíche aberto muito elaborado, que é quase uma refeição; é geralmente servido com salada, queijo ou fruta.
A hora do chá da tarde serve de pretexto para que os dinamarqueses se deliciem com bolinhos, tortas, bolos amanteigados e biscoitos, muitos deles de renome internacional.
refeição principal é feita ao início da noite, composta por mais de dois pratos. O porco, o peixe, o frango e a vitela são muito apreciados, e a sobremesa é normalmente à base de frutas, como é o caso do Frugtkage, a torta dinamarquesa de maçã.

Frikadelle

Frikadelle
Frikadelle
Espécie de rissole, o frikadelle é um prato servido com batatas, vegetais em picles, molho denso, turvo.
A primeira receita deste delicioso prato é datada por volta de 1837, mas o nome Frikadelle (pure pork) já foi registrado no início do século XVI. Num livro de culinária de 1648 um similar Frikadelle foi mencionado. Os dinamarqueses amam seu Frikadelle e comem sistematicamente como um prato tradicional principal.
O Frikadelle é o prato favorito de todos.

Sweets and Coffee

Sweets and Coffee
Sweets and Coffee
A pastelaria dinamarquesa é conhecida no mundo como Danish.
Os dinamarqueses chamam este tipo de massa de Wienerbrød (Vienna Bread), pois o primeiro foi elaborado e apresentado na Dinamarca por um padeiro austríaco, por volta de 1840. O café, desde 1700, tem sido considerado a bebida nacional na Dinamarca, faz parte de sua cultura e os consumidores são os que mais tomam café em todo o mundo, consumindo cerca de mais de 20 milhões de xícaras diariamente.
Alimentação e saúde pública
Alguns especialistas de saúde admitem que a alimentação na Dinamarca afeta a saúde no país. A começar pelos sanduíches que são untados com banha de porco (smørrebrød). Hoje, o sanduíche mais popular é o que leva leverpostej, um patê tradicional feito com fígado, gordura e natas. Um episódio marcante, nesse sentido, foi um incêndio que ocorreu numa das fábricas que produzem leverpostej, desencadeando uma crise nacional. Os fabricantes publicaram anúncios assegurando ao público que o seu prato favorito brevemente iria estar de volta.
Os alimentos e a cultura culinária na Dinamarca estão cada vez mais convertendo-se em assunto público. O Estado tem desenvolvido uma plítica preventiva baseada em todos os conhecimentos disponíveis sobre nutrição. Os alimentos têm alta prioridade política, tanto que o Ministério da Agricultura e Pesca transformou-se em Ministério de Alimentação em 1996. Há indícios de que a cultura e qualidade dos alimentos, a comida, em toda a sua extensão, vem crescendo. O comer supõe algo mais de que ingerir alimentos.

Pølsevogne

Pølsevogne
Pølsevogne
Outra coisa bem popular na Dinamarca é salsicha, a "Pølsevogne". "...você pode pedir um cachorro-quente francês, que jamais encontrará na França, com salsicha de galinha enfiada num pão roliço do qual se retira o miolo, ou um cachorro-quente italiano com molho de pizza que a Itália nunca viu". "...a comida dinamarquesa que se encontra por ai nos restaurantes e mesmo em casa é tão universalizada, cheia de tantas influências, que nem se pode dizer de fato que seja a típica comida da terra. Antes da globalização, a culinária local era mais a comida da gente pobre do campo, baseada nas criações e plantações dos pequenos agricultores e dos pescadores. Quase sempre coisa demorada de preparar e cozinhar, hoje reservada a ocasiões importantes, batizados e casamentos ou visita de amigos muito especiais". (S.I.)
Fonte: fuleiragem.typepad.com

Receitas Dinamarquesas

Molho Dinamarquês (para Fondue)

Ingredientes
5 Colheres (sopa) de queijo fundido
2 Colheres (sopa) de manteiga
1 Xícara de vinho branco seco
2 dentes de alho
150 ml de leite
2 cebolas
Modo de Preparar
Picar as cebolas e os dentes de alho e refogar na manteiga até dourar.
Juntar cuidadosamente o vinho e o leite, mexendo sempre. Juntar o queijo e deixar derreter, mexendo ocasionalmente. Temperar com sal e pimenta.
Servir ainda quente.

Morangos com Requeijão e Baunilha

Ingredientes
2 Colheres (chá) de essência de baunilha
3 Colheres (sopa) de açúcar
75 gramas de avelãs
100 ml de leite gordo
750 ml de morango
½ quilo de requeijão
1 pitada de sal
1 laranja
ovos
Modo de Preparar
Lavar e escolher os morangos, escorrer e retirar as folhas e pés. Separar cerca de 200 gramas, que deve reservar para enfeitar, e cortar o resto em pedaços. Bater bem as gemas com o açúcar. Misturar o requeijão. Bater bem as claras em castelo, juntamente com o sal, e deite por cima da mistura das gemas com o requeijão. Bater as natas com a essência de baunilha. Raspar a casca da laranja e esprema o sumo. Incorporar as natas e as claras batidas ao creme de requeijão. Misturar o sumo de laranja, os morangos cortados e o creme de requeijão. Levar ao frigorífico durante cerca de 2 horas. Picar as avelãs e, no momento de servir, guarnecer o creme com os morangos inteiros e polvilhar com a raspa da laranja e as avelãs picadas.

Pernil de porco à Dinamarquesa

Ingredientes
1 pernil de porco de 3 quilos com a pele
Pimenta-do-reino a gosto
Sal grosso a gosto
Modo de Preparar
Cortar a pele e a gordura do pernil, formando pequenos quadrados. Adicionar e sal e a pimenta e esfregar bem. Assar em forno baixo (150ºC) por 4 horas, regando sempre - parar de regar quando a pele ficar crocante. Retirar do forno e aguardar 10 minutos. Cortar a carne e servir com repolho roxo, batatas cozidas e o molho da assadeira.

Rolinhos Natalinos de Salmão com Presunto

Ingredientes
1 pacote de salmão fumado
1 copo de vinho branco
1 lata de champinhons
½ pimento encarnado
1 pacote de presunto
sumo de limão
massa folhada
farinha
manteiga
pimenta
alho em pó
sal
Modo de Preparar
Enrolar uma fatia de salmão fumado muito fina com uma fatia de presunto igualmente fina, deixando o presunto na parte de dentro e prender com um palito. Fazer o mesmo com todas as fatias de presunto e de salmão fumado e discolocar os rolinhos numa travessa grande branca. Temperar com sumo de limão e uma pitada de alho em pó. À parte prepare o molho: saltear os cogumelos cortados em manteiga e juntar vinho branco e meio pimento picado.
Temperar com sal e pimenta e deixar apurar durante 5 minutos em fogo brando. Cobrir os rolinhos cuidadosamente com este molho. Cortar pequeninas estrelas de massa folhada descongelada e coloque-as num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado com farinha, e levar ao forno até dourarem e aumentarem de volume. Deixar arrefecer e decore com uma ou duas estrelas cada um dos rolinhos de salmão e presunto.

Salmão Dinamarquês

Ingredientes
1 Colher (chá) de sumo de limão
3 Colheres (sopa) de açúcar
1 Colher (chá) de mostarda
1 Colher (sopa) de sal
creme de leite
1 salmão
aneto
Modo de Preparar
Abrir o salmão ao meio, no sentido do comprimento, para lhe retirar a espinha. Misturar o sal com o açúcar. Com este preparado cobrir as duas metades do salmão, salpicar com o aneto e sobreponha-as.
Embrulhar o peixe num pano húmido, colocar num recipiente de plástico e levar ao frigorifico por 72 horas, virando-o de vez que em quando. Findo esse tempo, desembrulhar e salpicar com mais um pouco de aneto. Misturar os restantes ingredientes e mexer bem até obter um creme. Servir com o salmão.

Tarte Dinamarquesa de Maçã (Frugtkage)

Ingredientes
5 Colheres (chá) de gelatina em pó sem sabor
½ Xícara de manteiga
1 Xícara de açúcar
200 gramas de geleia de morango
250 gramas de pão ralado
1 quilo de maçã
creme de leite
Modo de Preparar
Descascar, lavar, eliminar os caroços e cortar as maçãs (ácidas, de preferência) em pedaços pequenos e levar a cozinhar com 4 colheres (sopa) de água e 1/3 do açúcar, mexendo para não pegar, até obter um puré. Passar, peneirando, para uma tigela de pirex, que aguente temperaturas elevadas. Polvilhar a gelatina em pó sobre o puré de maçã. Colocar a tigela dentro de uma panela com água muito quente e mexer por 2 ou 3 minutos, para dissolver a gelatina. Deixar arrefecer. Numa frigideira grande, aquecer a manteiga e deixar ao fogo até começar a dourar. Reduzir a chama e adicionar aos poucos, mexendo, o pão ralado e metade do açúcar restante.
Deixar cozinhar durante 10 a 15 minutos, mexendo sempre, até dourar. Colocar metade dessa mistura numa forma de bolo de fundo falso, apertando até ficar homogéneo e cobrir todo o fundo da forma (esta será a base da tarte). Assim que a massa arrefecer, deite a mistura de maçã por cima. Levar ao frigorífico até solidificar. Espalhar a geleia sobre a camada de maçã e, sobre esta, a restante massa de pão ralado. Pressione bem, tal como fez com a massa anterior.
Levar a forma ao congelador, por mais 30 minutos, ou até ficar bem sólido. Passado este tempo, retirar cuidadosamente a torta da forma, transferindo-a para uma travessa. Bater as natas com o restante açúcar, até ficar em chantilly, e espalhar sobre a torta.
Decore com frutos silvestres lavados ou qualquer outra fruta da época. Variações: - O recheio pode ver variado substituindo-se parte das maçãs por igual quantidade de fruta vermelha de sabor acentuado - como framboesas e amoras comuns ou silvestres, por exemplo. - Escolha uma geléia que combine com a fruta escolhida - se preferir, passar a geléia pela peneira, para remover as sementes.

Torta de maçã Dinamarquesa

Ingredientes
¼ Xícara de cerejas em calda, escorridas e picadas
2 Xícara de biscoito doce esfarelado
¾ Xícara de creme de leite
1 Colher (café) de essência de baunilha
1 Colher (sopa) de açúcar
750 gramas de maçãs, sem casca e cortadas em cubos
Geléia de amora a gosto
75 gramas de manteiga
Modo de Preparar
Em uma panela, colocar a manteiga e juntar as maçãs. Cozinhar até as maçãs ficarem macias. Passar as maçãs por uma peneira, misturar com as cerejas e reservar. Fazer um chantilly com o creme de leite, açúcar e baunilha (se desejar pode comprar o chantilly pronto). Reservar.
Montagem
Fazer camadas alternadas de purê de maçã e biscoitos esfarelados. Na hora de servir, colocar o chantilly por cima e a geléia sobre o chantilly.
Fonte: www.livrodereceitas.com
Culinária Dinamarquesa
A culinária da Dinamarca, tal como a de outros países escandinavos (Suécia e Noruega) e do norte da Europa em geral, como na Alemanha, é composta de pratos pesados, ricos em gorduras e carboidratos. Isto é devido à sua tradição agrícola e ao clima frio, caracterizado por invernos rigorosos e longos.
Frikadeller acabados de fazer.
Frikadeller acabados de fazer.
Antes de o país se industrializar (cerca de 1860), a agricultura de subsistência, gerida pelas famílias, individualmente, era a principal actividade económica da Dinamarca. Os produtos importados eram raros, o que originou hábitos gastronómicos determinados pelos produtos locais: cereais, lacticínios, carne de porco, peixe, maçãs, ameixas, cenouras, batatas, cebolas, cerveja e pão.
O prato nacional é o smørrebrød (traduzido à letra, pão com manteiga). Smørrebrød são sanduíches abertas que se comem sobretudo ao almoço e são compostas normalmente de peixe ou carnes frias e diversos tipos saladas sobre um pão escuro tipicamente dinamarquês, denominado rugbrød.
Rugbrød caseiro.
Rugbrød caseiro.
A refeição quente de carácter nacional poderá ser carne de porco no forno com batatas aloiradas, couve vermelha cozida e molho castanho. São ainda bastante populares as almôndegas ao estilo dinamarquês, conhecidas por frikadeller.
Os molhos são muito usados e podem ser encontrados, por exemplo, nos cardápios dos postos de venda de salsichas tipicamente dinamarqueses conhecidos como pølsevogn.

No Natal

Na época do Natal, a Dinamarca também tem os seus pratos típicos, tais como o risengrød, um arroz-doce com leite, açúcar e canela, com manteiga espalhada sobre tudo, para dar um toque dinamarquês. É conhecido como o prato que o papai noel e seus duendes comem.
Risengrød.
Risengrød.
Existem também uns biscoitinhos chamados pebernødder, que consistem numa mistura de canela, nozes e pimenta, podendo ser encontrados durante a quadra natalícia em toda a parte, para crianças e adultos.
Dessa época, é também tradicional o Æbleskiver, com uma massa semelhante à das panquecas. Possui, no entanto, uma forma de bola e é consumido com geleia e açúcar. Existem referências a este doce desde o século XVI.
Fonte: pt.wikipedia.org




Nenhum comentário:

Postar um comentário